Por: Tito   •   07/04/2017 às 23:35:19
Categoria: Últimas Notícias



Há cinco anos sem ter um brasileiro no alto do pódio da Maratona Internacional de São Paulo, quando Solonei da Silva foi o campeão, o mineiro Franck Caldeira, primeiro colocado na prova de 2004, é a esperança de ter um corredor do Brasil como o melhor maratonista pelas ruas da capital paulista. A tarefa do veterano, de 34 anos, não será fácil, pois os africanos estão fortes. O atual campeão, o queniano Paul Koech Kimutai, vice na 18ª Volta Internacional da Pampulha, no ano passado, e seus compatriotas Josphat Kipkemboi Ronoh, campeão da Maratona de Tel Aviv em 2016; e Elijah Kemboi, vice na Maratona Internacional do Rio em 2015, são os rivais a serem superados por Caldeira, tricampeão da Volta Internacional da Pampulha (2003/06/07), campeão da Corrida Internacional de São Silvestre, da Meia Maratona das Cataratas (2011) e  ouro na maratona Pan-Americana de 2007, no Rio.  Para ditar o ritmo da prova estarão os “coelhos” Daniel Kiprotich (Quênia), vencedor da Meia Maratona Internacional de São Paulo deste ano, e Workiye Wosenu (Etiópia), que tem o tempo de 1h02m48s para os 21km.
 
Os outros brasileiros que estão no pelotão de elite são Wellington Bezerra da Silva, bicampeão brasileiro de corridas de rua e oitavo na última São Silvestre; Edmilson Santana, terceiro na Dez Milhas Garoto e quarto na Meia Maratona Internacional do Rio de Janeiro do ano passado; e Gilmar Silvestre Lopes, campeão da Copa Brasil de Cross Country e quarto na Corrida de São Sebastião, ambas em 2017.
 
No feminino, o jejum de títulos brasileiros é dura mais tempo. Em 2010, Marizete Moreira foi bicampeã (repetindo o feito de 2009) e, neste ano, ela volta a ser a maratonista com mais chances de vencer. O time de elite de mulheres do Brasil terá ainda Viviane Figueiredo, primeira colocada da Corrida de São Sebastião, quarta na Dez Milhas Garoto 2016; Simone Ferras, quinta colocada na Maratona de São Paulo e terceira da Maratona de Foz do Iguaçu, ambas em 2016; e Dione D´Agostini Chillemi, quarta da Maratona de Foz do Iguaçu 2016.
 
O pelotão feminino de estrangeiros terá como destaques as quenianas Leah Jerotich, terceira colocada ma Meia Maratona Internacional do Rio de Janeiro de 2016; Priscilla Lorchima, campeã da Maratona do Paraguai no ano passado; Josephine Jerotich, que tem 1h07m32s na meia maratona; e Christine Chepkemei, que fez 1h07m06s na Meia Maratona de Montenegro, em 2015.
 
A largada será a partir das 6h50m, com a Elite feminino, vindo depois, às 7h15m, a categoria Cadeirantes, e às 7h28m, Elite masculino e pelotão geral, Premium e Atletas com deficiência. Haverá também as distâncias de 24km, 8km e 4km.
 
Assim como aconteceu na Meia Maratona de São Paulo, a Maratona Internacional de São Paulo terá dinâmicas para tentar coibir a presença de “pipocas”, como o controle de acesso mais rigoroso, intensa comunicação pelas redes sociais, comunicação estática ao longo do percurso, destacando que os serviços são para o corredor devidamente inscrito, e as demais ações que foram colocadas em prática na Meia.
 
Resultados da 22ª Maratona Internacional de São Paulo
 
Masculino: 1) Paul Kimutai (Quênia), 2h17m14s; 2) Giovani dos Santos (Brasil), 2h17m23s; 3) Gilberto Silvestre Lopes (Brasil), 2h19m43s; 4) Robert Kipchumba (Quênia), 2h20m09s; e 5) Vagner da Silva Noronha (Brasil), 2h24m35s.
 
Feminino: 1) Alice Kibor (Quênia), 2h35m56s; 2) Jane Jelagat Seurey (Quênia), 2h38m37s;
3) Carolyne Komen (Quênia), 2h38m48s; 4) Marizete Moreira dos Santos (Brasil), 2h51m55s; e 5) Simone Ponte Ferraz (Brasil), 2h57m54s.
 
Recordes da Maratona de São Paulo:  Vanderlei de Lima (BRA), 2h11m19s , em 2002; e Rumokol Chepkanan (QUE), 2h31m31s, em 2002.
 
 
FONTE:  Publicado por Iúri Totti / BLOG DO IÚRI TOTTI
Jornalista, diretor da Midiática Press Agência de Comunicação, com experiência de mais de 15 anos em esportes, especialmente no mundo das corridas e olímpico  - Acesse o blog.


Deixe seu comentário



Posts Relacionados